Buscar
  • Hildebrando Ribeiro

É possível ficar milionário em 10 passos?

Você acredita que livros que ensinam a ficar rico funcionam?


Acaso ache mais conveniente, ouça este post!


Então, coloque a seguinte frase no Google “melhores livros de como ficar rico”, ou algo do gênero, e o Google lhe mostrará com um rol de livros que prometem dar o caminho para a tão sonhada riqueza.


Image by mohamed Hassan from Pixabay



Então, coloque a seguinte frase no Google “melhores livros de como ficar rico”, ou algo do gênero, e o Google lhe mostrará com um rol de livros que prometem dar o caminho para a tão sonhada riqueza.


Entre estes livros você verá Quem pensa enriquece, do autor americano Napoleon Hill. Ele investigou a vida de mais de 500 homens, os mais ricos do mundo no século XX e, assim, extraiu as características destas pessoas que alcançaram a fortuna.


Pois bem, para discutir acerca se é ou não possível ficar milionário seguindo “10 passos” ou métodos ensinados neste gênero de livro, trago o autor líbano-americano Nassim Nicholas Taleb e sua opinião sobre este assunto exposta no livro A lógica do cisne negro, da editora Best Business.




O foco deste livro do Taleb é explicar o que são os cisnes negros, que o autor define como grandes eventos incertos e imprevisíveis que geram consequências ruins ou boas.


Nassim Taleb afirma que é impossível prever o futuro. E trata com desprezo aquelas pessoas que afirmam que no mês tal, ano tal o futuro será assim ou assado.


Como o Taleb já foi investidor no mercado financeiro, hoje concentra seus estudos nas áreas de probabilidades e incertezas, assim sua crítica aos que preveem o futuro é mesmo na área da economia. Ele ressalta que é uma grande balela o que os economistas falam sobre o vai acontecer no futuro.


Como exemplos de cisnes negros ele cita a internet e o 11 de setembro de 2001, que ninguém nunca previu.


Mas para não perder o foco deste post, vou concentrar no capítulo que ele nomeou: Como ficar milionário em dez passos. De onde, é claro, eu tirei o título.


Taleb relata que não é verdade o que passam estes livros de que basta que você leia e siga os passos de quem ficou rico e você ficará rico.


Em outras palavras, ele alerta que não adianta apenas que você siga os conselhos dos livros e desenvolva características como coragem, otimismo, correr riscos e outros, para que você seja bem sucedido.


Não é tão simples assim!


Taleb nos põe a raciocinar trazendo a nós a figura do cemitério. Que é onde mora os fracassados em ficar ricos.


No entanto, ele não está falando de um fracassado qualquer, mas de pessoas que compartilhavam as mesmas características dos que ficaram milionários.


O autor informa que o cemitério dos fracassados está repleto de pessoas que tem em abundância os atributos de coragem, otimismo, correr riscos e etc.


E “porque” eles não alcançaram a fortuna, sendo que tinham os requisitos necessários para isto?


Pura sorte! É o que o Taleb diz sobre quem alcançou ou não a riqueza.


Em um trecho do livro ele diz:


“Agora dê uma olhada no cemitério. É bastante difícil fazer isso, pois parece que as pessoas que fracassam não escrevem memórias e, caso escrevessem, os editores que conheço no ramo de negócios jamais considerariam lhes conceder a cortesia de retornar uma ligação (quanto a retornar um e-mail, esqueça)”.

O autor nos fala que ao lermos, por exemplo, uma biografia de presidentes de empresas com o intuito de aprendermos o caminho para ficarmos ricos, estamos lendo somente a visão arbitrária do autor do livro que afirma que se tiver as características tais, como as do presidente, você ficará rico.


Taleb diz que este mesmo autor não levou em consideração as muitas pessoas que tinham os atributos para ficarem ricas, entretanto por falta de sorte não alcançaram.


Agora falando o que penso…


Em minha opinião, concordo com o Taleb sobre que os livros que ensinam os macetes para ficar rico sejam baseados apenas nos vencedores, esquecendo dos perdedores.


E acho que as editoras não se interessam por divulgar livros de perdedores, pois não vendem! Poucas pessoas querem ler sobre como perder.


Contudo, penso que há um meio termo nesta questão.


Acredito que para estar apto à sorte de ficar rico, a pessoa deve ter características que são compartilhadas entre aqueles que são ricas. Pois senão, a sorte não será aproveitada.


Um exemplo medíocre é, um garoto de uns 13 anos ser um parente ou amigo de um empresário olheiro do Barcelona.


Acaso este jovem tenha os atributos de um bom jogador, ou ao menos jogue futebol de maneira razoável, a sorte pode lhe favorecer.


Mas se for um perna de pau, esquece, só vai conseguir mesmo são ingressos grátis para ir ao Camp Nou, estádio do Barcelona.


Em resumo, nem todo mundo que é craque no futebol jogará em um time de elite, porém em todo time de elite só joga quem é craque.


Grande parte das pessoas que conquistaram a riqueza tinham que ter certas características que lhes permitiram alcançar milhões em sua área de atuação.


Afinal, você ficar no sofá assistindo séries da Netflix ou em redes sociais não lhe fará milionário. A não ser que você trabalhe como youtuber comentando sobre as séries ou seja uma influenciadora do Instagram como a Kylie Jenner.


Penso que o grande segredo é a ação!


Você tem que estar preparado? Sim, acho que não há outro caminho.


Existe o fator sorte? Sim, para os preparados.


Já para os despreparados, de nada adianta, não poderão aproveitar a sorte que lhes for oferecida.


Não devemos sermos cegos de pensar que apenas lendo livros que ensinam o caminho para a riqueza nos levara aos milhões na conta bancária.


Mas desenvolver habilidades específicas, nos deixará mais aptos a aproveitar a sorte quando e se ela aparecer!


Um grande abraço!

Hildebrando Ribeiro



COMPRE O LIVRO


Amazon


0 visualização

SEJAM BEM VINDOS!

Curtam as postagens no blog, os podcasts do Clã Laranja e os vídeos do Quase Stop Motion.

  • YouTube - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle
  • Facebook - Círculo Branco

Cadastre-se em minha Newsletter

Seja notificado sobre os próximos artigos, podcasts e vídeos.

© 2019 Hildebrando Ribeiro